quinta-feira, 1 de junho de 2017

Fabrico Nacional

A qualidade da oferta televisiva nacional, em horário nobre, oscila entre o muito bom e o paupérrimo. Do lado extraordinário da barricada está o documentário Fabrico Nacional, em transmissão na RTP e com apresentação de Catarina Portas. Esta quinta feira, 1 de Junho, estará no ar o terceiro episódio, de uma série de dezasseis, entre as nove a as dez da noite. Não deixem que o semblante espantado; alucinado de Catarina vos faça mudar de canal, é uma característica da senhora que talvez não se encaixe na perfeição em televisão, mas, acreditem, valerá a pena deixarem-se envolver pelas suas incursões a fábricas e marcas nacionais antigas. A mentora do projecto de sucesso A Vida Portuguesa tem sido um dos rostos do processo de mudança no paradigma em que algumas empresas históricas nacionais têm de se movimentar. Não deixa de ser irónico, mas o motivo que levou muitas fábricas ao fecho ou às dificuldades é o mesmo que agora é responsável pelo seu sucesso e prosperidade: o fabrico nacional. Do que já foi transmitido, destacamos o episódio dedicado à Arcádia, a empresa do Porto que se dedica, desde 1933, ao fabrico das mais doces iguarias. Desde então, a empresa passou por inúmeras fases e arriscou até em algumas derivações possíveis de efectuar no seu negócio, sempre na tentativa de acompanhar as tendências do (traiçoeiro) mercado. Por exemplo, chega a ser surpreendente a capacidade para organizar eventos, através do serviço de catering que, em tempos, existiu na empresa. Uau! As fotografias, mostradas e legendadas no programa pela actual responsável, Margarida Bastos, revelam a sumptuosidade de algumas salas nobres da cidade do Porto onde a Arcádia efectuou o serviço. Nada como ver o programa para testemunhar tudo o que aqui vai sendo escrito, mas uma nota especial de realce para as típicas drageias. Com honestidade, não é das especialidades que nos convença mais pelo sabor, mas, depois de assistirmos ao trabalho feito pelas bordadeiras, com toda aquela minúcia, somos obrigados a olhá-las com outros olhos. 



As festas dos Santos Populares estão à porta


Caso não tenha assistido ao programa dedicado à Arcádia e pretenda fazê-lo, por favor, clique aqui. Conheça toda a história e peripécias da empresa fundada pelo celoricense Manuel Carvalho Pereira Bastos, que teve clientela de luxo, como Eugénio de Andrade e que nos dias de hoje prospera em várias cidades do país.

(A sério, o que é que se passa com alguns denominados directores de marketing deste país?! Na cidade do Porto há expressões, muito engraçadas, para definir as narrativas como as que para eles parecem padrão: "Música para os meus ouvidos", "Conversa para boi dormir", entre outras...)

Sem comentários:

Enviar um comentário