terça-feira, 13 de junho de 2017

Estimular a Paciência

Este espaço não pretende ter uma etiqueta acoplada a indicar "antigamente é que era" a cada publicação, não,  mas, de facto, há épocas que vão deixando material merecedor de algumas palavras e de ajustado destaque. Acredita-se que foi John Spilsbury o primeiro a desenvolver um exemplar daquilo que hoje é conhecido por quebra cabeças. Aquele senhor, inglês de nacionalidade, era cartógrafo e o que fez foi tão simples como isto: colou um dos seus mapas, de papel, a uma tábua e, posteriormente, recortou os países que nele constavam. Ao possibilitar que as peças encaixassem, desde que colocadas nos devidos lugares, Spilbury estava a criar um futuro sucesso mundial de vendas, o puzzle e a permitir que pessoas de todas as idades, ainda hoje, exercitem o cérebro e aprendam de uma forma lúdica. Tendo em conta que este relato histórico terá tido lugar nos anos 60, mas do século XVIII, note-se bem, é natural que a invenção, transformada em produto comercial, tenha passado pelas mais diversas fases. Destaque para o período em que as vendas do produto dispararam, isto já no decorrer do século XX, com a massificação da procura. Como manda a lei, havendo mais procura a oferta aumenta e os preços baixam, foi o que aconteceu. Ao que parece, as sociedades globais começaram a descobrir a incrível sensação de se conseguir deslindar um quebra cabeças e viram no passatempo uma terapia para equilibrar a cabeça. 




Nos dias que correm, são infindáveis os modelos de quebra cabeças tradicionais disponíveis no mercado, pois, apesar de existir concorrência quanto à tipologia, aqueles ainda são muito associados aos programas em família e a formas de estímulo cerebral muito valorizadas. Os fabricantes apelam a todos os poderes de criação para conseguirem diversificar a oferta, e, assim, irem ao encontro das exigências. Realce para um tipo de jogo que fez furor nos passados anos 80 e 90, o quebra cabeças de rotação de números. A peça apresentada, em vídeo, é da Gowi e tem a descrição "15 Spiel 10 Min Pro Beispiel". Há seis maneiras de se concluir o desafio, sendo que a mais acessível é a intitulada de "horizontal", em que a numeração vai sendo alinhada nessa posição até se concluir o alinhamento proposto. Também existiam jogos desta tipologia, mas em que eram utilizadas letras, em substituição dos números e isto era aproveitado pelas marcas para fazerem brindes publicitários. É comum encontrarem-se peças em que o desafio está em concluir-se o nome da marca, nas diversas opções propostas. À distância de um clique, hoje temos à disposição todo o tipo de passatempos, mas estes que apresentamos têm o condão de, para além de exigirem um tactear mais vincado para se jogar, serem referentes a uma época em que se tinha de ir para o terreno à procura das opções. Parece incrível, tais são as facilidades de hoje, mas, em tempos, havia até livrarias e farmácias, em especial nos Estados Unidos, a disponibilizarem quebra cabeças para alugar. Isto não é do nosso tempo, não exageremos, mas deixa-nos a pensar...


Sem comentários:

Enviar um comentário